• Lívia Almeida

Afinal, por que Criatividade?


Imagem: Tim Mossholder


Criatividade é um tema ainda muito pouco explorado sob o viés interpessoal. Mesmo que já existam muitos estudos e pessoas diariamente trabalhando na temática criativa, de maneira geral, no cotidiano, raros são os momentos em que conscientemente atuamos a partir do nosso potencial criativo.

Isso porque tendemos a resumir Criatividade a arte. Pensamos que para ser criatiao é preciso estar com pincel e tinta na mão, dançar, cantar ou escrever alguma peça. Com toda certeza o lúdico estimula e impulsiona a Criatividade, mas não estou aqui falando de potencial criativo, e sim de Energia Criativa.


Criatividade: nossa energia vital

A forma como visualizamos a vida, como nosso cérebro enxerga as circunstâncias, como buscamos soluções, como planejamos nossa agenda e como interagimos com as pessoas e ambientes no mundo, partem da nossa Criatividade. Estamos constantemente criando alternativas e buscando trazer soluções para tudo que vemos e fazemos. O que não significa que temos que ter as ideias mais inovadoras, mais radicais e coloridas.


Sim, o elemento artístico se faz presente, por meio de cores, música e da própria escrita, mas não se resume a isso.


“Quando me refiro a ‘vida criativa’ falo de maneira mais geral. Estou falando sobre viver uma vida que seja guiada mais intensamente pela curiosidade do que pelo medo.”
						Elizabeth Gilbert

O mais fantástico do meu despertar criativo foi entender que Criatividade é uma energia. E como toda energia, para que possa existir, precisa fluir. Precisa de movimento. Precisa de ação. O que significa que tenho poder de escolha sobre como e quando ativá-la. E você também!


Criatividade é singular e particular. É complexa e plural. É única e de todos. Mas acima de tudo ela é customizável. A sua criatividade pode permear caminho paralelo ao de outra pessoa, mas a forma como ela funciona e acontece para você é, e sempre será, exclusivamente sua. E isso é pura magia.


Podemos ser criativos ao contar uma história, ao pensar na decoração da nossa festa de aniversário, ao testar uma receita, na forma de liderar uma equipe ou na criação de um aparelho que salve vidas. E também podemos ser criativos para descobrir as respostas do que preenche a nossa própria vida.


O processo de transformação de uma pessoa parte da sua capacidade de ativar e se conectar com a sua Criatividade diariamente. Quão frequente, com que rapidez, com que intensidade e grandeza um indivíduo vivencia seu potencial criativo diz do quão significativa a mudança interna é. E consequentemente do seu potencial de criação, de trazer para o mundo suas ideias e soluções e com isso sentir-se conectada a um propósito.


Mas assim como tudo tem um lado desconhecido e subjetivo, também tem a Criatividade. Ela não é uma resposta única que surge por um rompante. Sim, insights relâmpago surgem de tempo em tempo e nos trazem soluções mirabolantes. Mas essa não é a premissa do potencial criativo e não acontece num continuum.


Ambivalência Criativa


Uma ideia é formada a partir de um aglomerado de informações. Essas informações são registradas e arquivadas em nossa mente a partir das experiências que vivenciamos dia a dia, formando o nosso repertório.


As soluções e criações são construídas a partir do acesso que nossa mente faz a esse conjunto de impressões registradas, e montam - como em um quebra-cabeça, a combinação mais lógica e pertinente para a incógnita em questão.


Fica, portanto, lógico pensar que quanto mais formos expostas a ideias, conceitos, vivências sensoriais, lugares e ambientes diferentes, maior se torna nossa capacidade de criar.


Você então questiona: ‘Para isso preciso estar constantemente viajando, experimentando comidas exóticas, vestindo roupas ecléticas e escutando todos os estilos musicais?’ - Não. Mas o oposto também é uma verdade.


Se você estagna e não busca expandir seu repertório, seguirá girando em torno das mesmas ideias. E por mais que seu cérebro seja programado para fazer as múltiplas variações de combinação com o repertório já existente, até ele tem limite.


Quando se está em meio a uma transição de vida, seja ela pessoal, profissional ou até espiritual, você está buscando uma nova solução para uma realidade que não te cabe mais. Ou seja, deseja encontrar uma alternativa diferente da existente. Tenta elaborar por conta própria as diferentes possibilidades de caminho, e quando seu repertório não lhe atende recorre a livros, conversas com amigos, cursos, apoio profissional, ou até viagens. Qualquer possibilidade que lhe ajude a pensar fora da caixa. Pensar fora da sua zona de conhecimento. Fora do seu repertório.


Uma vez que você movimenta sua energia criativa ao buscar por soluções e respostas, você também cria novas conexões neuronais. Passa a ensinar o seu cérebro novos caminhos para pensar soluções. Quebra padrões de conhecimento, por vezes até enferrujados, e muda seu Modelo Mental.


Mas como tudo na vida é ambivalente, a Criatividade também tem um vilão que a assombra: o Medo.


Medo: um companheiro eterno


Sabemos o quanto o medo é importante para nosso senso de autopreservação. Quando estamos correndo perigo iminente de vida, é o medo nosso maior aliado para disparar alertas no cérebro, fazer correr em nossas veias hormônios que nos darão a resposta física que precisamos, e tentar nos impedir de machucar gravemente.

Mas esse medo instintivo é diferente do que permeia suas terras criativas. Ele lhe paralisa por proteção, mas não por autopreservação. Ele lhe protege do desconhecido, do que você não tem controle, da possibilidade de sofrimento, do erro, e também de uma vida de prosperidade e alegria. Ele se guia por suas Crenças Limitantes, e faz jus ao que elas fomentam.


Mas o medo é um companheiro eterno. Sempre presente, sempre ao seu lado, porém nunca deve estar a sua frente. Quando você caminha à sombra do medo sua visão não é clara. Você tropeça e muitas vezes até cai, já que não pôde ver a pedra que estava no seu caminho. É a força contrária à Criatividade, pois te paralisa. E o princípio da Criatividade é a ação. Criar + Atividade!


Quando o Medo passa a ser seu guia turístico na Terra das Descobertas, ele lhe apresenta apenas os lugares mais conhecidos, dentro da mesma temática. Quando deseja experimentar algo, te leva onde é difícil de achar vaga para sentar, te fazendo esperar por horas na fila, perdendo seu valioso tempo. Nessa fila você encontra pessoas que não estão felizes por estar ali, esperando. Outras até já se conformaram e nem puxam muito papo mais. Permanecem caladas. Finalmente quando lhe é cedido um lugar, já está quase na hora de ir, a experiencia é curta, e você pouco se diverte, guardando para si aquele gostinho do que foi mas poderia ser mais.


Mas quando o Medo é seu companheiro de viagem, é você quem guia o caminho. O céu não é o limite. Se vai parar no topo de uma montanha, à beira de um lago, ou no calçadão da avenida mais movimentada, tanto faz, pois você está aonde quer estar. Pessoas vem e vão. Te apontam direções, oferecem ajuda, dão dicas e desvendam caminhos. Locais nunca vistos antes são desbravados, sabores dos mais diferentes gostos, e ao seu lado pessoas que estão nessa mesma caminhada, falando a mesma língua, buscando a mesma luz.


Quando você abre a sua mente para as infinitas possibilidades do que pode criar, entende a sua força e capacidade enquanto Ser de Luz. Ser de Criação. Ser do Criador.


Então, afinal, por quê Criatividade?


Criatividade faz parte de quem somos! É nosso combustível vital. Quando nos distanciamos da nossa força criativa apagamos nossa chama interna. Desconectamos do que nos torna essencialmente únicas. Nos desconectamos da nossa feminilidade, do nosso Ser.


Tudo que manifestamos no mundo parte de um processo de criação: uma ideia, um produto, um material, um objeto, uma fala. Da mesma forma as soluções para nossos questionamentos mais íntimos.


Criatividade exige humildade para aceitar que nada sabemos e tudo podemos transformar, inclusive a nós mesmas. Ao se colocar aberta para a descoberta, você abre espaço para que sua energia criativa se manifeste. E é nessa transformação que descobre seu verdadeiro potencial criativo.


Mas para isso precisa movimentar essa energia. A transformação acontece no agir. Criar + Atividade, lembra? Ainda que a pequenos e curtos passos. Novas portas se abrem, novas ideias surgem, novas possibilidades são criadas e pouco a pouco você sente que está saindo do lugar, está conquistando seus objetivos e construindo uma vida com mais sentido e propósito. Uma vida mais criativa!


Somos todos seres criativos, você só precisa se permitir criar o que deseja ver acontecer no mundo, seja a cura para uma doença rara, seja a lista de lugares que quer visitar, seja estar mais presente para sua família, ou o passo a passo do que irá te tirar da sua zona de conforto e colocar suas ideias no mundo.


Agora me diga: o que você deseja criar e realizar na sua vida?


Se você sente que se desconectou da sua energia criativa e quer despertá-la, voltar a movimentá-la para enriquecer seu repertório, reconectar com sua capacidade de criação e trazer o resultados que deseja ver em sua vida, as Sessões de Criatividade Feminina são a resposta para o seu chamado. Vamos conversar.


Gostou do texto? Salve, compartilhe, deixe seu comentário. Vamos continuar essa conversa.


Você não está sozinha. Venha fazer parte da nossa comunidade de mulheres criativas.


Juntas somos mais! Você não está sozinha.


gif